Gestão holandesa no Pecém deve começar em um ano


Governo do Estado vai à Holanda assinar, na próxima quarta-feira, Memorando de Entendimento (MoU) com a Port of Rotterdam Internacional, empresa que administra o porto de Roterdã. A parceria é para realização de estudos.


por BEATRIZ CAVALCANTE - O POVO ONLINE


Para iniciar as tratativas com os holandeses, será assinado Memorando de Entendimento (MoU), na próxima quarta-feira, na Holanda, entre Ceará e a Port of Rotterdam Internacional. O documento visa parceria na realização de estudos sobre o Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp). “Assinando o memorando, já começam os estudos na outra semana. A efetivação da parceria deve se dar em 12 meses”, afirma Danilo Serpa, presidente da Cearáportos.


Questionado por qual motivo a Rotterdam escolheria o Ceará, Danilo diz que Fortaleza tem configurações parecidas com o que os holandeses desejam, como misturar indústria e atividades portuárias no Cipp, incluindo uma Zona de Processamento de Exportação (ZPE), a única atuante no País. “Em setembro de 2015 firmamos convênio com o Porto de Roterdã para uma consultoria. Eles viram o potencial do Cipp e acabaram se interessando”.


Maia Júnior, secretário do Planejamento e Gestão, diz que o conceito no Pecém de ter indústria e Porto interligados é uma visão de logística que interessa a Roterdã, a mesma adotada no porto holandês.


“Trazê-los no futuro é realmente um grande alavancador para o Ceará. Eles são reconhecidos no mundo inteiro e darão força à ampliação do Porto do Pecém, na melhora de infraestrutura, na competitividade, na formação de um hub de contêineres. Terão peso na parte econômica, na geração de empregos. Governo e Rotterdam podem fazer uma parceria que impactará no PIB (Produto Interno Bruto) do Estado”, afirma Maia.


Modelagem


Heitor Studart, presidente da Câmara Temática de Logística do Ceará e do Conselho de Infraestrutura da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), diz que o mercado espera uma parceria em que Rotterdam detenha cerca de 25% do Porto do Pecém. “O Governo Federal e do Ceará não têm recursos para investir. Para os investimentos que se fazem necessários para atração de uma refinaria, ou indústrias de terminais de óleo e de polo metalmecânico, a expertise de Rotterdam é que vai ajudar e não o Poder Público”.


O presidente da Cearáportos diz que a parceria com a holandesa deve viabilizar ainda a transferência do Parque de Tancagem (armazenamento de combustíveis) do Mucuripe para o Pecém”, diz.


Segundo Studart, o impacto previsto com a chegada da empresa é da ordem de 30 mil empregos diretos e incremento no PIB do Estado parecido com o que a Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) traz. A siderúrgica impacta em cerca de 12% na somatória de riquezas e bens do Estado. “Roterdã fomentará a qualificação da mão de obra do Ceará”, acrescenta.


O Porto de Roterdã tem complexo industrial, logístico e de serviços conectado pelo mar ao mundo e por via fluvial e terrestre ao centro da Europa. O complexo industrial e logístico de Roterdã inclui galpões e tanques de armazenamento de produtos, refinarias, indústrias químicas, bioenergéticas e alimentícias, plantas de produção de energia (carvão, gás, biocombustíveis).


Localizado no delta dos rios Reno e Mosa, que atravessam países como Alemanha, França, Áustria, Suíça, Bélgica e Holanda, Roterdã tem um canal de 45 km de extensão que desemboca no Mar do Norte e no Oceano Atlântico.


A área total é de 12,6 mil hectares (incluindo as vias aquáticas), dividida em pelo menos sete áreas. Movimenta cerca de 465 milhões de toneladas por ano, enquanto o Porto do Pecém fechou o ano passado com 11,6 milhões. Roterdã movimenta mais do que o dobro do segundo maior porto europeu, em Antuérpia (Bélgica), e três vezes mais do que o Porto de Hamburgo (Alemanha).


A empresa que administra o Porto holandês busca criar uma rede de portos na Europa, Indonésia (situada entre o Sudeste da Ásia e a Oceania), América Latina, Oriente Médio e Caribe, além de deter 50% de participação no novo porto de Sohar, em Oman (Península Arábica), cujo movimento de carga cresceu de 4 milhões de toneladas para 45 milhões de toneladas desde 2007.


No Brasil, o porto holandês tem participação no futuro Porto Central, no Espírito Santo, um complexo industrial portuário nos moldes de Roterdã que atenderá principalmente à demanda dos Estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, São Paulo, Rio e Espírito Santo, onde vivem mais de cem milhões de pessoas/consumidores. Lá, o início das operações está previsto para 2020.


Link da matéria online: https://www.opovo.com.br/jornal/economia/2017/03/gestao-holandesa-no-pecem-deve-comecar-em-um-ano.html




_____




Dutch management in Pecém to start in a year


State Government is going to the Netherlands on Wednesday to sign a Memorandum of Understanding (MOU) with the Port of Rotterdam International, which manages the port of Rotterdam. The partnership is intended to carry out some studies.



by Beatriz Cavalcante – O POVO ONLINE


To begin negotiations with the Dutch, a Memorandum of Understanding (MoU) will be signed next Wednesday in the Netherlands between Ceará and the Port of Rotterdam International. The document intent is a partnership in carrying out studies on the Industrial and Port Complex of Pecém (Cipp). " Once they have signed the document, the studies start the other week. The effectiveness of the partnership must take place in 12 months, "says Danilo Serpa, president of Cearáportos.


Asked why Rotterdam would choose Ceará, Danilo said that Fortaleza has similar configurations to what the Dutch want, such as mixing industry and port activities at CIPP, including an Export Processing Zone (ZPE), the only one active in the country. “In September 2015 we signed an agreement with Rotterdam Port for a consultancy. They saw the potential of Cipp and ended up getting interested.”

Maia Júnior, Secretary of Planning and Management, says that the concept of having industry and Port interconnected at Pecém is a logistics vision that interests Rotterdam since is the same one adopted by the Dutch port.


“Bringing them in the future is a big step forward for Ceará. They are recognized throughout the world and will strengthen the expansion of the Port of Pecém, improve infrastructure, increase competitiveness and create a container hub. They will have weight in the economic part, in the generation of jobs. The Government and Rotterdam can make a partnership that will impact on the GDP (Gross Domestic Product) of the State, "says Maia.


MODELING


Heitor Studart, president of the Logistics Thematic Chamber of Ceará and the Infrastructure Council of the Federation of Industries of the State of Ceará (Fiec) says that the market expects a partnership in which Rotterdam holds about 25% of the Port of Pecém. "The Federal Government and Ceará do not have the resources to invest. For the investments that are needed to attract a refinery, or oil tanker terminal and metalworking industries, Rotterdam's expertise is going to help, not the Public Authority”.


The president of Cearáportos says that the partnership should also make it possible to transfer Mucuripe tanking facility (fuel storage) to Pecém.

According to Studart, the expected impact with the arrival of the venture should create about 30 thousand direct jobs and an increase in the State GDP similar to the one brought by the Steel Company of Pecém (CSP). The steel company has a 12% impact in the sum of wealth and assets of the State. Rotterdam will foster the qualification of Ceará workforce” he points out.

The Port of Rotterdam has an industrial, logistics and service complex connected by sea to the world and by waterway and land to the center of Europe. Rotterdam's industrial and logistics complex includes sheds and storage tanks for products, refineries, chemical, bioenergy and food industries, power plants (coal, gas, biofuels).


Located in the delta of the Rhine and Meuse rivers, which cross countries like Germany, France, Austria, Switzerland, Belgium and Holland, Rotterdam has a channel of 45 km of extension that ends in the North Sea and the Atlantic Ocean.

The total area is 12,600 hectares (including waterways), divided into at least seven areas. It moves about 465 million tons per year, while the Port of Pecém closed last year with 11.6 million. Rotterdam moves more than double the second-largest European port in Antwerp (Belgium) and three times more than the port of Hamburg (Germany).


The company that manages the Dutch Port tries to create a network of ports in Europe, Indonesia (located between Southeast Asia and Oceania), Latin America, the Middle East and the Caribbean, and holds a 50% stake in the new port of Sohar, in Oman (Arabian Peninsula), whose cargo movement has grown from 4 million tonnes to 45 million tonnes since 2007.


In Brazil, the Dutch port has a participation in the future Porto Central, in Espírito Santo, a port industrial complex along the lines of Rotterdam that will mainly meet the demand of the States of Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, São Paulo, Rio and Espírito Santo, where more than 100 million people/consumers live. There, the start of the operations is scheduled for 2020.


0 visualização

POLO MULTIMODAL PECÉM INVESTIMENTOS S.A.

inscrita no CNPJ sob o nº 16.530.145/0001-34

R. Vicente Linhares, 521 - Sala 2013  

Aldeota, Fortaleza - CE, Brasil

CEP 60.135-270

  • Facebook - Círculo Branco
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone LinkedIn
  • Branca ícone do YouTube

© 2020 POLO MULTIMODAL PECÉM - Todos os direitos reservados

POLO SWISS DEVELOPMENT AG 

Company Reg: CHE-494.945.080

Zählerweg 3,6300 Zug, Switzerland